MEDICAMENTO NÃO É ARTIGO DE LUXO
Queremos uma nova lei para garantir medicamentos e vacinas acessíveis a todas as pessoas.





Você já percebeu que um mesmo medicamento pode ser vendido a preços muito diferentes em um mesmo bairro ou cidade? Isso acontece porque, no Brasil, o teto de preços para esse tipo de produto é muito alto e distante da realidade.

A indústria farmacêutica aproveita o vazio deixado pela regulação para aumentar seus lucros de maneira abusiva, à custa da saúde dos consumidores e dos recursos do SUS. Para mudar a realidade, precisamos de uma nova lei que altere as regras para o cálculo dos preços-teto de medicamentos no país e torne a indústria farmacêutica mais transparente.

A boa notícia é que essa proposta já existe e pode ser lida aqui.

A campanha Remédio a Preço Justo existe para apoiar a aprovação deste projeto.
Quer entrar para o movimento?


A lei que queremos

A mudança é possível e depende da aprovação de uma nova lei que já tramita no Congresso.

Veja os 4 eixos da nova regulação:


PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA CMED | O papel da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos é fundamental e precisa ser fortalecido.
SUSTENTABILIDADE DO MERCADO | Se a economia desacelera, os preços precisam cair. Hoje, a lei não permite reajuste para baixo e isso precisa mudar.
TRANSPARÊNCIA DA INDÚSTRIA | Os preços precisam refletir os custos reais das empresas em desenvolvimento, produção e distribuição.
PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA CMED | O papel da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos é fundamental e precisa ser fortalecido.


Letra pequena

Tudo o que você precisa saber (e não te contam) sobre o preço dos medicamentos no Brasil.




O TAMANHO DA BRECHA
Pesquisa do Idec mostra espaço para variação de 400% no preço dos remédios nas farmácias




RECEITUÁRIO PARA UM MERCADO DOENTE
Especialistas discutem como enfrentar as distorções que limitam o acesso a medicamentos no país



REAJUSTES NA MIRA DO SENADO
Projeto quer suspensão de aumento no preço dos remédios até o final de 2021 por conta da pandemia




FATORES X E Z:
A FÓRMULA DO REAJUSTE
Deciframos a equação que rege as variações no mercado farmacêutico. Spoiler: a sua saúde financeira pode depender dela.





O QUE O PREÇO DO SEU REMÉDIO TEM A VER COM A GRÉCIA?
Esse é um dos países que a Cmed usa como referência para calcular o preço de entrada de um novo medicamento no Brasil.





ZOLGENSMA,
O REMÉDIO MAIS CARO DO MUNDO
Tratamento de R$ 2,8 milhões levanta debate sobre falta de transparência no setor farmacêutico


Dose de dados





Clique aqui para ler o sumário executivo da pesquisa “O tamanho da brecha”.



O gasto do governo federal com medicamentos mais do que  dobrou entre  2008 e 2019. Passou de R$ 9 bi para R$ 19,8 bi. No mesmo período, o orçamento do Ministério da Saúde cresceu 42%.








Todo o conteúdo e material que você precisa para se tornar um porta-voz da campanha.

Kit de mobilização para redes sociais - Acessar

Pesquisas nacionais e internacionais - Acessar




O que os principais veículos de comunicação do país têm falado sobre o assunto




AS REGRAS PARA A DEFINIÇÃO DOS PREÇOS DE MEDICAMENTOS NO BRASIL PRECISAM MUDAR!

O modelo atual é injusto para os consumidores e caro para o SUS. Comprar remédio não é opção, é necessidade, e as regras do mercado precisam proteger o direito à saúde.

Com a mobilização da sociedade, vamos impulsionar a aprovação de uma nova lei no Congresso e aumentar o controle sobre a indústria farmacêutica no Brasil.

Se você quer ajudar a ampliar o acesso a medicamentos para todas as pessoas, assine a petição e entre para o movimento!


Eu quero Remédio a Preço Justo!

Ao inserir seus dados, você concorda em ter seus dados compartilhados com os organizadores dessa página e aceita receber emails de atualização, conforme descrito na política de privacidade. Você pode cancelar o recebimento desses e-mails a qualquer momento.

pessoas já assinaram a petição






O Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) é uma associação sem fins lucrativos que atua há mais de 30 anos por mais ética e justiça nas relações de consumo. Denunciamos práticas abusivas, pressionamos autoridades e ajudamos consumidores a exigirem seus direitos, tudo isso de forma independente.

O apoio da sociedade é essencial para que esse trabalho continue e você pode ajudar nessa missão!





APOIO